Fátima Nunes aborda em discurso pontos negativos após golpe de 2016

Em seu discurso no Plenário da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), na tarde desta terça-feira (5), a deputada estadual Fátima Nunes (PT) falou sobre o retrocesso do país, no último dia 31 de agosto, data marcada pelo um ano do afastamento da presidente Dilma Rousseff. De acordo com a parlamentar, dez principais razões para não comemorar um ano do golpe foram registradas pelo partido, as quais só retiraram direitos dos trabalhadores e prejudicaram o desenvolvimento social e econômico do país.

“Enquanto na gestão dos presidentes Lula e Dilma, muito foi feito para que todos tivessem os mesmos direitos, na saúde, educação, moradia, o atual governo aprovou a PEC dos gastos públicos que congelam em 20 anos os investimentos para o país. Se hoje as praças públicas, as escolas, os postos de saúde, os hospitais, as estradas encontram-se em um estado físico, daqui a 20 anos permanecerá como está. O governo golpista não colocou no planejamento mudanças, prejudicando a vida de nós trabalhadores e trabalhadoras”, declarou a deputada.

Fátima Nunes pontuou ainda as outras razões. “A Reforma Trabalhista, reforma do ensino médio, a operação Lava-jato, o Programa Ciência Sem Fronteiras, a Farmácia Popular, o Pré-sal, o pacote de privatizações, a lei das terceirizações e a Reforma da Previdência. Tudo isso foi retirado dos brasileiros e brasileira, levando o país ao retrocesso. Estamos convocando a população para fortalecer o grito da democracia, no dia 7 de setembro, e assim continuarmos na luta para recuperamos os direitos dos trabalhadores. Não aceitar esse retrocesso”, conclui a petista.

Fonte: Ascom da deputada estadual Fátima Nunes (PT)

COMPARTILHAR